Há muito tempo o distúrbio do pânico vem afetando de maneira importante as vidas de um enorme contingente de pessoas. A idéia de se criar uma associação que pudesse enfrentar de maneira específica esse problema não surgiu de forma imediata. Na verdade, foi uma necessidade que se cristalizou ao longo de 28  anos, fruto de uma somatória de experiências vivenciadas nos tratamentos terapeuticos individuais. Alguns fatores foram preponderantes para que profissionais das áreas de psicologia e psiquiatria, dentre outros, se reuniram para formar a ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA SÍNDROME DO PÂNICO, entidade sem fins lucrativos que tem como finalidade precípua a minimização dos problemas vivenciados por quem sofre deste mal.
Em primeiro lugar, sabe-se que uma das principais dificuldades enfrentadas pelas pessoas que são atingidas pelo distúrbio do pânico é o seu correto diagnóstico, já que os sintomas da doença possuem relação direta com aspectos físicos, tais como, taquicardia, falta de ar, sudorese, etc. Neste contexto, a "ANSP" tornou-se um instrumento de conscientização popular, com a proposta de levar ao maior número de pessoas, informações completas e precisas a respeito do assunto, utilizando-se de palestras, publicações e orientações para atingir tal objetivo. Um outro fator que motivou a criação da entidade foi a conclusão de que a aproximação de pessoas portadoras da síndrome complementava de forma eficiente o tratamento exclusivamente individual, surgindo desta maneira a idéia da formação dos denominados "Grupos de Auto-Ajuda". Nos referidos grupos são feitas reuniões periódicas contando com a participação de pacientes e profissionais, nas quais se procura uma maior integração entre essas pessoas, resultando numa verdadeira troca de experiências com a finalidade de diminuirem-se os problemas cotidianos ocasionados pela presença do distúrbio e repensando nas mudanças de comportamentos mais adequados. Por outro lado, nota-se que o distúrbio do pânico é uma doença que,além de atingir de forma direta o paciente, indiretamente estende-se aos componentes de sua família que, por sua proximidade, acabam sofrendo as consequências da doença. Sob esse aspecto a "ANSP" tornou-se uma entidade de apoio aos familiares dos portadores da síndrome, utilizando-se da técnica de grupo de orientação familiar para fornecer a essas pessoas subsídios suficientes para, no interior de seus lares, lidarem de forma eficiente com o problema. E assim, diante dessa realidade, a "ANSP" vem ao longo dos anos desenvolvendo um trabalho sério e contínuo, buscando aprimorar-se cada vez mais com o escopo de tornar-se uma entidade ágil, moderna e, principalmente inovadora, assumindo um papel importante na incessante luta contra a doença que, sem dúvida, tem dificultando a vida de milhões de pessoas em todo mundo.